Sejam Bem Vindos!

Menú Geral

Menús

J.S.Bach - Concerto pour clavecin en fa mineur BWV 1056 - II. Adagio

sábado, 9 de outubro de 2010

0062. NATUREZA MORTA

NATUREZA MORTA

PAUL CÉZANNE, 1839-1906.
"Natureza Morta com Frutas"


Em um canto da cozinha, a madeira deita a sua presunção de caule: grave, intrínseca, abundante. Lisa, a superfície é escorregadia ao toque; um fio agudo, laminar, bidimensional ao olhar precipitado. O horizonte inteiro - bem ao centro, um nó amesquinha. No alto, na paragem da travessa, há maçãs conspirando a discórdia; a sedução astuta das delícias avinagra-lhes a linfa do cerne. Do proibitivo, do claustro, sendo redondas de contorno, algumas rolam (acidentalmente?), estranha fixação em quedas, e despudoradas ao derradeiro grau, atiçam-nos a navalha da boca com o acetinado da tez vegetal, onde um fortuito raio de luz se dilui.
Em tempo: A pintura é "Natureza Morta com Frutas", de Paul Cézanne.

Diz-se de uma pintura ou desenho agrupando certo número de seres e objetos inanimados (sem ânimo, morto), não necessariamente mortos, porém imóveis, frutas, flores, peixes, animais de pequeno porte, livros, vasos etc.
A aparência de uma natureza-morta varia, portanto enormemente, segundo a inclinação pessoal e a fantasia do seu autor.
O termo natureza-morta foi criado pelo holandês Houbraken em sua história da Arte, publicada em inícios do séc. XVIII, tornando-se universalmente aceito por volta de1800. O gênero, contudo, já era praticado entre os chineses no período Ch’in (265-420), e naturezas - mortas a parecem nos mosaicos da Grécia e de Roma nos murais de Pompéia e na arte paleocristã.
A idade média negligenciou-a, todavia a partir do séc. XV renomados pintores como Carlo Crivelli, por exemplo, redescobriram o gênero, passando a cultivar a natureza morta com veemência. (Arrebatado, impetuoso. Enérgico, forte. Entusiástico. Intenso).

As primeiras naturezas-mortas do séc. XV surgem como por menores de retábulos, e não como motivos isolados, e Van Eyck Vender Góes, (mestre de Flemalle) como algo digno de ser representado por si mesmo no séc. XVI, com alguns raros quadros e desenhos de Jacope de Barbari Lucas Granach, Albrecht Durer e outros.

Tal como na pintura de gênero, os verdadeiros criadores da natureza-morta foram os holandeses do séc. XVII, seguindo a trilha aberta por artistas como Peter Bruders.
Em França, o principal cultor do gênero foi Chardim, no séc. XVIII. No século seguinte, a natureza morta desenvolveu-se extraordinariamente com artistas como Cézanne, Van Gogh, Monet, Gauguim e outros.


Cézanne



ALDO BONADEI - 1906, SÃO PAULO, SP - 1974.

No século atual enfim, vem sendo praticada por artistas como Braque, Juan Gris, Picasso, Bonard,
os quais renovam incessantemente, à medida que se sucedem os diferentes estilos artísticos.

Objetos inanimados são representados na pintura desde a Idade Média, em geral como fundo de pinturas religiosas de cunho realista. Mas é somente em meados do século XVI que a natureza-morta emerge como gênero artístico independente em obras de pintores como Pieter Aertsen (1507 ou 1508-1575) e a.C.1510-(1592), que articulam os temas religiosos à vida cotidiana e às cenas de gênero. As composições simbólicas e grotescas de Giuseppe Arcimboldo (a.C.1527-1593) - com frutas, animais e objetos compondo figuras - alimentam o desenvolvimento da natureza-morta no período.

Giuseppe Arcimboldo

Na passagem para o século XVII, a figuração documental exigida pelas ciências naturais joga papel destacado na valorização de uma arte que almeja representar os objetos e a natureza tais como empiricamente observados (por exemplo, Jacopo Ligozzi (1547-1627). Assim o processo de paulatina autonomia da natureza-morta acompanha tanto a pintura naturalista (associada à ilustração científica) quanto a pintura de gênero, exemplarmente representada pelos artistas holandeses do século XVII e seus temas domésticos, figurados com riqueza de detalhes. Os objetos freqüentemente escolhidos para compor as naturezas-mortas são: mesas com comidas e bebidas, louças, flores, frutas, instrumentos musicais, livros, ferramentas, cachimbo, tabaco etc., todos referidos ao âmbito privado e à esfera doméstica, às vocações e aos hobbies, à decoração e ao convívio no interior da casa.

A opção pela "pintura natural das coisas naturais" (destacando à presença do corpo e à realidade pormenorizada do objeto, revelados pelos contrastes de luz e sombra), a escolha de tipos populares para compor cenários religiosos e o gosto pelas cenas de gênero marcam as obras do pintor milanês, um dos primeiros a desafiar a hierarquia imposta pelos teóricos da época, que viam a natureza-morta como tema menor. A desvalorização desse gênero pictórico reflete-se na sua própria denominação nas línguas latinas, "natureza-morta", "nature morte" e nas línguas saxônicas o gênero é conhecido como "still life", "stilleben" [vida imóvel, vida em suspensão]. "Custa-me tanto trabalho fazer um bom quadro de flores, quanto um quadro de figuras", afirma ele. Na Espanha, Juan Sánchez Cotán (1560-1627) renova o gênero, valendo-se da abertura de janelas para emoldurar os objetos (Natureza-Morta com Marmelo, Couve, Melão e Pepino, 1600).

FRANCISCO DE ZURBARÁN

No sul do país, o tema é adotado por Francisco de Zubarán (1598-1664), que desenvolve uma obra religiosa naturalista, produzindo paralelamente uma série de naturezas-mortas e cenas de gênero. Em Madri, Juan van der Hamen y León (1596-1631) confere novos contornos à natureza-morta, dispondo os objetos em diferentes níveis e reduzindo o número de elementos da cena (Natureza-Morta com Frutas e Objetos de Cristal, 1626).
Jean-Siméon Chardin (1699-1779) é o grande pintor francês de naturezas-mortas e obras de gênero. No célebre A Arraia (1728) evidenciam-se suas preferências de composição: a prateleira de pedra e a austera ambiência interior, os objetos dispostos segundo uma ordem prática (sugerindo atividade humana), as texturas do linho e da cerâmica, o gato em meio às ostras e a arraia sangrenta no centro do quadro. As pequenas telas de Chardin - com objetos de cozinha e seus usuários, ambientes domésticos e cenas cotidianas - filiam-se à tradição da pintura de gabinete.


CHARDIN, JEAN-BAPTISTE SIMÉON 1699-1779 FRANÇA.

No século XIX, os impressionistas, ainda que afeitos às paisagens ao ar livre, vão realizar naturezas-mortas, mas é com Paul Cézanne (1839-1906) que o gênero ganha novas dimensões, imortalizado pelas composições com maçãs executadas a partir de 1870. Ao contrário de Chardin, cujas naturezas-mortas aludem ao trabalho da preparação do alimento na cozinha, assim como aos instrumentos do artista, nas naturezas-mortas de Cézanne os objetos parecem desligados de seu uso. "Suspensas entre a natureza e a utilidade, [as maçãs de Cézanne] existem apenas para serem contempladas", indica o historiador norte-americano Meyer Schapiro.
Os arranjos de objetos díspares nas diversas composições e colagens de Juan Gris (1887-1927), Pablo Picasso (1881-1973) e Georges Braque (1882-1963) associam a natureza-morta diretamente ao cubismo, ainda que o gênero atravesse toda a arte moderna, como indicam as obras de Vincent van Gogh (1853-1890), Fernand Léger (1881-1955), Henri Matisse (1869-1954), Chäim Soutine (1893-1943), Pierre Bonnard (1867-1947), entre outros.

GEORGES BRAQUE


Giorgio Morandi (1890-1964) é dos pintores modernos o que mais se concentra em naturezas-mortas. Seus objetos - garrafas, candelabros, potes -, compostos a partir de combinações cromáticas sutis, são esvaziados de conteúdos simbólicos e literários, o que confere a essas obras uma dicção altamente pessoal.
Giorgio Morandi (1890-1964)


Na história da arte brasileira as composições com frutas e vegetação de Albert Eckhout (ca. 1610-ca. 1666) encontram-se entre as primeiras naturezas-mortas realizadas entre nós. É possível acompanhar o gênero durante o século XIX, com as produções de Agostinho da Motta (1824-1878) e Estevão Silva (ca. 1884-1891),

TANKERD, CRISTAIS, FACA E FRUTAS SOBRE UMA MESA O.S.T. 60 X 50 cm.
Agostinho da Motta


Estevão Silva
SAPOTIS, PITANGAS E CAJUS - O.S.T. 1888 - 38 X 45 cm.


JEAN-BAPTISTE DEBRET
“FRUTAS”.


significativos pintores no gênero no contexto carioca. Já em São Paulo, sobretudo na primeira metade do século XX, destaca-se a produção de Pedro Alexandrino (1856-1942). Com os artistas reunidos no Núcleo Bernadelli e Grupo Santa Helena, nas décadas de 1930 e 1940, a natureza-morta ganha uma nova importância no contexto da

Pedro Alexandrino Borges.
NATUREZA MORTA - O.S.T -73,5 X 92 cm.

arte brasileira. Nos anos de 1950, Milton Da Costa (1915-1988), Maria Leontina (1917-1984), Iberê Camargo (1914-1994), entre outros, realizam naturezas-mortas.


FONTES DE PESQUISA
BROWN, Jonathan. Pintura na Espanha, 1500-1700. São Paulo: Cosac & Naify, 2001, il.p&b. color. 283 p. [Pelican History of Art]. CHASTEL, André. A arte italiana. Tradução Antonio de Pádua Danese. São Paulo: Martins Fontes, 1991, 738p. il. p&b. COTTINGTON, David. Cubismo. São Paulo: Cosac & Naify, 80 p. il.p&b. color [Movimentos da Arte Moderna]. LA NUOVA ENCICLOPEDIA DELL´ARTE GARZANTI. MILÃO: Garzanti Editore, 1986. 1112p. il. p&b, color.
LEVEY, Michael. Pintura e escultura na França, 1700-1789. São Paulo: Cosac & Naify, 318 p, il.p&b. color.[Pelican History of Art]. MORANDI NO BRASIL. Textos de Célia Euvaldo, Paulo Montero e Lorenzo Mammi. Centro Cultural São Paulo, s/d, 44 p. il. p&b. color. SCHAPIRO, Meyer. As maçãs de Cézanne: um ensaio sobre o significado da natureza-morta (1968). In: ______. A Arte moderna séculos XIX e XX: ensaios escolhidos. Tradução Luiz Roberto Mendes Gonçalves; prefácio Willibald Sauerlander. São Paulo: Edusp, 1996. 345 p., il. p&b. color. (Clássicos, 3). VERDI, Richard. Cézanne. London: Thames and Hudson, 1997, 216 p. il. p&b. color. [World of Art]



“Vivemos graças ao caráter superficial de nosso intelecto, em uma ilusão perpétua. Para viver necessitamos da arte a cada momento, nossos olhos nos retêm formas, se nós mesmo educarmos gradualmente esse olho, veremos também reinar em nós uma força artística, uma força estética”. Nietzsche


Link para essa postagem


Nenhum comentário: